Google+ Followers

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Salada de Batatas e Pesto e o Livro As Vantagens de Ser Invisível



 


Olá, chegamos ao fim da primeira semana do ano e eu cheguei ao fim da leitura do livro As vantagens de ser invisível, de  Stephen Chbosky, que Lili trouxe no Natal. Um dos privilégios de se ter filhos é que eles nos apresentam às coisas novas, que apreciaram ou simplesmente conheceram,  e isso renova o nosso cabedal cultural, rsrs. Por mim mesma é bem possível que eu não lesse ou procurasse tomar conhecimento de algumas das  obras que Lili tem curtido, pois já entrei na fase de valorizar muito o tempo, investindo-o naquilo que foi consagrado como coisa de valor, rsrs. Mas devo admitir que tenho gostado de conhecer o novo, pois tudo na vida está sempre se renovando, não é verdade?  O livro conta a estória do garoto "Charlie", através das cartas que ele envia a um estranho, de quem ouviu falar muito bem na escola. Então, de forma despretensiosa, somos metidos dentro da vida de "Charlie", passando a conhecer a sua rotina e dramas. Na estória há referências a muitas obras que aprecio, livros e músicas principalmente, o que, naturalmente, tornou Charlie ainda mais simpático aos meus olhos. Mas há um outro lado do livro que - pelo que tenho visto - tem passado batido pelos leitores, que é a ligação quase secreta de Charlie a Nietzsche, através do livro "The Foutainhead", de Ayn Rand  (só mencionado numa das últimas cartas). A muitos poderá parecer um delírio, de minha parte, associar o garoto Charlie, que tem apenas quinze anos, e está começando a ser introduzido à literatura adulta e à vida, a Nietzsche, que em momento algum é mencionado na estória, sendo a própria Ayn Rand citada  só indiretamente (através do seu livro "The Fountainhead) e de forma brevíssima. Ocorre, senhoras e senhores, que quando conhecemos o modo como um determinado autor influenciou as pessoas que o leram, tornamo-nos capazes de perceber a influência dele mesmo em textos breves. E o fato é que achei similaridades entre as, digamos, idéias deste livro, e as de - por exemplo - Demian, de Herman Hesse, autor confessadamente fã de Nietzsche, a quem dirigia as mais altas loas. Uma das frases estruturais de Demian é:"Quem quiser nascer tem que destruir um mundo; destruir no sentido de romper com o passado e as tradições já mortas, de desvincular-se do meio excessivamente cômodo e seguro da infância para a conseqüente dolorosa busca da própria razão do existir: ser é ousar ser."    Voltarei a falar disso em futuros posts, rsrs.

E ontem eu preparei estas batatas ao pesto, molho que muito aprecio, à base de manjericão fresco. Mas já vou avisando que esta quantidade de molho é excessiva (para o meu gosto, pelo menos) para a quantidade de batatas que costumamos preparar rotineiramente. Então façam apenas um terço dele ou façam o molho para o usar também em outras ocasiões.



Salada de Batatas ao Pesto


Ingredientes


6 batatas de tamanho médio cozidas em água e sal

Alface roxa ou outra, já higienizada

Toamatinhos ou outro ingrediente à escolha


Preparo


Revolva as batatas no molho e disponha-as no prato em que serão servidas juntamente com os demais ingredientes.



Molho Pesto

Ingredientes
3 xícaras (chá) de folhas de manjericão fresco higienizadas
1 dente de alho (ou mais, a gosto)
½ xícara (chá) de azeite de oliva extra virgem
½ xícara (chá) de pinholes (usei nozes)
½ xicara (chá) de queijo parmesão ralado na hora (ou mais, a gosto) 
Preparo
 
Ponha os ingredientes no copo de um processador de alimentos e bata até obter uma pasta lisa. Empregue.
 



31 comentários:

Karen disse...

Vi o filme nesse período dos feriados. (The Perks of Being a Wallflower em inglês). É bom, mas será que é fiel ao livro? :)

arte da sadhia disse...

oi minha linda tudo bem adoro est emolhinho que vc fez ..e com batatas eu amooo mas também faço e guardo para outras preparações quanto ao livro estou doida para ler acabei esta semana de ler um livro de celebrações de uma moça judia ..muito maravilhoso ..com receitas divinas ..adoro a leitura é tudo de bom mesmo ..parabens amei a postagem
bjão

Marisa Vlasic disse...

Olá querida Marly, eu adoro pesto e coincidentemente hoje, a minha primeira postagem do ano também foi com pesto, estamos sintonizadas…rsrs. Gostei demais da sugestão, nunca provei assim, com batatas., deve ficar bom demais!!

E que zuccotto marrraaaavilhosooo da postagem anterior, amiga, você arrasou demais, fiquei com muita água na boca…rsrs

Beijinhos
Marisa

São Ribeiro disse...

Essas batatas ficaram com muito bom aspecto .
Quanto ao livro deve ser bem interessante.
bjs

A Paixão da Isa disse...

humm com esse molho dia estar um sonho gostei mt da decor bjs

Andréa disse...

Olá Marly,
gostei da sugestão do livro, fiquei curiosa, rsrs.
Molho pesto é super saboroso, bela receita!

Tenha uma semana repleta de bençãos!
bjs ♥

Fê Dayrell disse...

Marly as batatas ficaram com aspecto maravilhoso, me fez salivar.
Agora o livro, vou ter que procurar e comprar, pois vc me deixou muito cuiriosa.
bjo

Ana Claudia disse...

Humm, está de se comer com os olhos essa salada...
Beijinhos

Karen disse...

Marly, sempre fico com um pé atrás em relação às adaptações de livros para o cinema. Como não o li antes, não havia expectativas. Só achei estranho colocarem a foto dos atores do filme na capa do livro.

Lindo começo de ano para você e os seus!

Coisas de Tássia disse...

Marly adorei ambos, tanto a dica de livro quanto a receitinha.

Um feliz 2013 par vc!

Milia disse...

A mi me gusta mucho el pesto Marli, de hecho al ver la foto de tus patatas me ha apetecido de inmediato.
Me gusta también mucho, la lectura, y estoy contigo en que a veces los hijos nos proponen cosas que nosotros sin esa iniciativa no haríamos y que resultan muy enriquecedoras.
Un beso

Kati Monteiro disse...

Marly, eu também adoro molho pesto, e caseiro é muito mais gostoso.
Gostei da sugestão com batatas.
Não conhecia o livro nem o filme. Mas é uma boa dica.
Beijo

Prata da casa disse...

Olá Marly: muitas vezes são os meus filhos que me falam nas novas "tendencias" da literatura,mas confesso que este livro não conhecia. Vou ficar atenta a ver se ele aparece por cá.Quanto às batatas ficarm lindas,com uma bonita cor devido ao pesto.
Bj
Márcia

Liliane de Paula disse...

Marly querida, achei ótimo ler o comentário do livro que ganhou da filha.
Não conheço o livro e não tenho planos de conhecer. O que li, no seu comentário já foi interessante.
Mas, cartas, memórias, diários e biografias, são minhas leituras preferidas. Porém de autores que me são interessantes e de quem, geralmente, conheço a obra.
De Herman Hesse não gosto. E li, na tentativa de gostar, a maioria dos livros famosos, dele.
Voltando a receita, olha, está linda e certamente, deliciosa.
O Fermapan, não funcionou diferente daqueles de pacotinho.
Agora vou tentar aquele gelado.

Josy disse...

Marlyca querida adorei essas batatas com molho pesto é uma parceria perfeita, e molho caseiro é outro papo né. Ficaram lindas de dar água na boca. Acompanham muito bem um churrasco, na minha modesta opinião. Quanto ao livro achei interessante, mas o que gostei mesmo foi a frase de Damien, preciso fazer isso, vou ousar ser, por que apenas ser não está me adiantando muito então ousemos!!! kkkkk ( parece final de missa Oremos kkkk) ai ai

Michele Andrade disse...

Adoro pesto, td de bom!!! Obrigada pelo carinho no blog, já estou te seguindo.
Bjs e boa quarta.

www.atelierartedecor.blogspot.com

Lili disse...

nossa, mãe. você ficou mesmo encucada com essa história, hein? =)

mesmo assim gostei do seu post... espero a continuação.

pras suas amigas que perguntam sobre o filme, é muito bom. talvez até mais palatável que o livro para pessoas mais conservadoras. é relativamente fiel (embora tenham sido deixadas algumas partes de fora). inclusive o escritor do livro dirigiu o filme (e fez o roteiro de rent, outro filme que eu adoro).

e 'respondendo' a uma falou aí que achou estranho a capa do livro ser a foto do atores... acho isso horrível... mas sempre acontece isso quando fazem uma adaptação para o cinema. suponho que seja uma estratégia editorial para tornar o livro mais reconhecível.

beijos.

Adriana Balreira disse...

Marly,
Já tinha visto esse livro e achei que fosse mesmo bom, parece que vão até lançar um filme dele. E depois que vc deu o aval vou procurar para ler.
E eu adorei a tua receita de pesto, e saber que é muito. Boa dica!
Beijos
Adriana

Eu que fiz... ou quase isso disse...

que delicia, adoro tudo que vai batata!!

Bjs

Gélia

Heloísa disse...

Marly,
Desculpe minha ausência.
É que tenho andado prá cá e prá lá, por conta das "férias". E ainda terei pequenas viagens, nos próximos dias.
Adoro molho pesto, mas ainda não tinha tido a ideia de usá-lo em salada de batatas.
Gostei dos seus comentários sobre o livro que acabou de ler. Você é uma boa crítica literária.
Beijo.

"Manjares da Manu" disse...

ESTE MOLHO É TUDO DE BOM!!!
FICOU COM UM ASPÉCTO MARAVILHOSO!!!

BJS...

MINHA VIDA DE CAMPO disse...

Que legal também gosto de ler os livros que meus filhos leem, menina amei essa receita adoro molho ao pesto e tenho plantado muito manjericão para fazer. Aqui meus filhos gostam de comer no pão. Essa vou fazer para meu marido ela adora batata.
Bjos e tenha um ótimo início de ano cheio de sucesso e felicidades.

luci disse...

Que maravilha de batatas deve ter ficado deliciosa
beijos

tatiane disse...

Sempre que fazem uma adaptação para cinema de algum livro, logo relançam o livro com os atores na capa, fico doida com isso! Mas este livro/filme ainda não conheço, vou ficar atenta para ver.
Meu projeto para este ano é ler Ulysses, ainda falta terminar outro livro que comecei ano passado para botar meu projeto em prática, rs.
Ah, Marly, estou adorando seus posts sobre outros temas além da culinária, claro que gosto muito das receitas, acho que vc entendeu, né?
beijão e feliz 2013!

Laura Lucia disse...

Marly,
Sinceramente, estas batatas devem ter ficado divinas! Molho pesto é sempre um toque inusitado na comida, conferindo-lhe um paladar excepcional, que muito me agrada.

Muito interessante o fato de livros para jovens - e outros nem tanto!-- estarem colocando Nietzsche em evidência nestes últimos anos. Ótimo para repensar a vida e tentar construí-la de um modo mais pessoal - o que não é fácil!

Quanto à frase extraída do livro do Hesse, é bem caraterística de Nietzsche e do seu niilismo. Anotei para meu caderno de pensamentos: é bela, bela. É uma encantadora síntese do pensamento de nietzschiano da necessidade de destruir para poder construir o original.

Parabéns, querida, pelo post educativo e original, além da receita especial, claro!

Beijo fraternal, Laura Lucia

♥ Wilma ♥ disse...

Hummm, deve ter ficado uma delícia, adorei que vc deixou a receita do pesto. Obrigada. bjossss

Renata disse...

Marly adorei a receitinha...já to imaginando com batata bolinha...hummmm rs
Acho que nunca falei isso mas adoro esses comentários que vc faz de livros. Eu amo cozinhar mas tb tenho paixao por livros, filmes e viagens e seu blog e o eternos prazeres da minha xará são ótimos!
Beijao e um ótimo ano pra vc!

Renata disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jussara Neves Rezende disse...

Humm... que cara boa a dessa salada! Eu tenho manjericão em quantidade no quintal! ;)
Interessante suas observações sobre a obra... e sobre o fato de nossos filhos nos colucarem na trilha de livros que talvez nunca fôssemos ler! verdade!
Abraço!

Renata Boechat disse...

Hey Darling,

Estou gostando da faceta literária com que tens introduzido os posts, afinal unir gastronomia e literatura faz tudo ficar mais interessante.
Estou com o filme que veio do livro, mas ainda não me animei de verdade, quem sabe agora? se bem que filmes que vem de livros nem sempre são fiéis, e quase sempre acabam por decepcionar...we will see...
Por enquanto vamos ficando com as batatas com pesto,
Perfeitas!

IVANEIDE disse...

Noosaaa !! apetitosa demais!!

Pin It button on image hover