Google+ Followers

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Biscoitinhos de Mel e o Razão e Sensibilidade, de Jane Austen



Olá, gente! Ufa, quase que não consigo voltar aqui, por causa dos muitos afazeres da vida real, rsrs.  Contudo, finalmente consegui escapar por uma brechinha do tempo, para vir atualizar as postagens deste meu bloguito, rsrs. A receita destes biscoitinhos eu bem que poderia assumir que é minha, tantas foram as modificações que fui obrigada a fazer nela, para que os tais resultassem. Num dos livrinhos do açúcar União eles aparecem -  em forma de casadinhos - com o nome de "Luas de Mel", porém, talvez por ter me atrevido a fazer apenas meia receita, já que a inteira levava 800 gramas de farinha, a massa ficou muito engordurada e mole. Com as alterações, incluindo o amido, que não constava na receita original, os biscoitinhos ficaram amanteigados e com sabor de mel, ou seja, bem saborosos, rsrs.


     Por causa da proximidade da Páscoa, fiz os biscoitos também em forma de coelhinhos; na primeira foto eles são as bolinhas estreladas


Biscoitinhos  de Mel
 (rende uns 70)


Ingredientes



100 gramas de açúcar refinado

250 gramas de manteiga

400 gramas de farinha

100 gramas de amido de milho

Pitada de sal

½ xícara (chá) de mel

1 colher (chá) de fermento em pó

10 gotas de essência de baunilha

Açúcar de confeiteiro para rolar os biscoitos (opcional)


Preparo



Unte com manteiga e enfarinhe uma ou mais assadeiras grandes de assar biscoitos; deixe-a de lado. Ligue o forno à temperatura de 180º C. Se for rolar os biscoitos no açúcar de confeiteiro, ponha uma xícara deste açúcar numa travessa grande.

Misture bem: farinha, amido, sal e fermento. Junte os demais ingredientes e misture-os até obter uma massa homogênea. Estenda (entre dois plástico) e corte a massa, ou faça bolinhas e distribua-as na assadeira preparada. Asse os biscoitos por 12/15 minutos ou até que alguns  deles comecem a corar. Tire os biscoitos da forma e deixe que esfriem ligeiramente. Role-os no açúcar de confeiteiro, se desejar.





 *****************************************************************


Razão e Sensibilidade 

Como mencionei dois posts atrás, a minha recente "insônia" levou-me a folhear livros e revistas, e assim acabei relendo o Razão e Sensibilidade (Sense and Sensibility), de Jane Austen.  Como sou grande fã dessa escritora, resolvi falar um pouco deste livro aqui.



Um homem, o Sr. Dashwood, casado pela segunda vez, e pai de três filhas, duas moças e uma menina, está à morte, por isso chama o seu filho primogênito, nascido de sua primeira e falecida esposa, a fim de obter do rapaz a promessa de que assistirá financeiramente a sua atual esposa e filhas, depois que ele se for. Ele faz isso porque as leis de então estabeleciam que praticamente todo o patrimônio de um pai fosse transmitido ao filho homem, e não às filhas, que recebiam apenas uma pequena renda. O homem obtém a promessa solene do filho e morre em paz. Porém, assim que o filho relata à esposa dele o compromisso assumido, esta, por ser insensível e gananciosa, o convence a não cumpri-lo. Desse modo, a viúva, a Sra. Dashwood, e suas três filhas: Elinor, Marianne e Margaret, perdem o direito de residir na casa em que sempre viveram, e tratam de procurar outro lugar para morar. 

 

                               (imagem da produtora do filme)


Não vou me estender mais, para não arruinar a surpresa dos que forem ler o livro de Jane Austen ou assistir ao filme (imagem acima) estrelado por Emma Thompson, Kate Winslet e Hugh Grant. 

Razão e Sensibilidade foi o primeiro livro publicado de Jane Austen, e nele ela dá extensas provas de seu talento literário. A partir da estória da família Dashwood o leitor é exposto às complexas facetas humanas, exemplificadas nas grandezas e vilezas dos seus personagens. Porém, é como se sobretudo a autora fizesse a seguinte pergunta: "o ser humano deve guiar-se pelas emoções  ou pela razão?".  Ela mesma não oferece uma resposta definitiva para esta questão, embora nós leitores possamos ver claramente as consequências das ações motivadas por uma ou outra dessas possibilidades, como a nobreza decorrente da racionalidade e bom senso da personagem Elinor. Mas Marianne, que é muito mais emotiva e romântica (e jovem também, já que tem apenas 16 anos, no início da estória), tem também grandes qualidades, como, por exemplo, a franqueza, a transparência e  o talento musical.
Os leitores atentos extrairão grandes ensinamentos deste livro, pois praticamente todos os personagens expõem com clareza o próprio caráter. 
Força moral ou a falta dela, sabedoria, superficialidade, imaturidade, emotividade, senso prático, generosidade, amor, há de tudo nos personagens desta estória, que talvez por isso mesmo resulta muito cativante.
O filme, de 1995, é adorável e muito fiel ao livro. 






18 comentários:

Prata da casa disse...

Olá Marly: vou começar pelo fim, rsrs. De Jane Austen só li "Orgulho e preconceito" e claro, gostei imenso. Também já vi o filme. Este, fiquei com vontade de ler também.
Quanto aos biscoitinhos estão lindos e devem ser tão bons. Os coelhinhos ficaram muito mimosos!!
Bjn
Márcia

Renata Boechat disse...

Biscoitinhos mais lindos do mundo, uma mesa bem elaborada e convidativa, e Jane Austen em livro e filme,
Aqui impera o bom gosto, sempre,
Parabéns Darling,
Não preciso dizer que os biscoitinhos já estão na "To Do List" não é?

São Ribeiro disse...

Li o livro e gostei muito
Adorei a mesa esta linda e os biscoitos maravilhoso
bjs

Adriana Balreira disse...

Amei a receita desse biscoito. Só não a parte do mel! Vc usa mel de abelha mesmo? Não gosto muito do gosto...
E quanto ao livro, não li esse. O filme já assisti mas não lembro bem. E que dilema, razão contra a emoção!
Beijos
Adriana

Blog Dona Ingrid disse...

Que mesa de café mais linda!
Logo, logo quero estar montando mesas assim lá em casa!

E os biscoitinhos? ahhh que amor!
Já salvei a receita!

:*

Tertúlia da Susy disse...

Que belos biscoitos e que belas fotos. bjs

Marisa Valadas disse...

Já li o livro e já vi o filme, adorei ambos.
As bolachinhas ficaram lindas

A Paixão da Isa disse...

mt bonitos esses biscoitos adorei os coelhinhos bjs bfs

Pedrita disse...

eu adoro esse livro e já vi várias vezes o filme. beijos, pedrita

Arione Torres disse...

Oi Marly querida, que biscoitinhos deliciosos ein??
Gosto muito de Jane Austen!
Beijos e bom fim de semana!!

Heloísa disse...

Marly, querida,
Voltei e já encontro essa mesa linda para um chá. Como gostaria de participar desse lanche.
Não li o livro, mas gostei bastante do filme.
Beijos.

Rosita Vargas disse...

Me encantan tus galletas conejitos que belleza amiga eres genial me comería un par,abrazos

Lili disse...

Depois me empresta o livro?

Mônica disse...

Marly
Eu ja vi o filme muitas vezes e li o livro também. Gostei dos dois. Obrigada por recorda los. Passagens lindas!
com carinho Monica

Kelly Seixas disse...

Oi Marly
Os biscoitos devem ser deliciosos...Sua mesa ficou linda, uma delicadeza!!! Adorei a dica do livro, assim que puder irei ler.
Beijocas.

Liliane de Paula disse...

Marly, li uma vez o Razão e Sensibilidade e vi o filmes um monte de vezes.
É muito lindo.
E é bom saber como era a vida naquela época.

Milia disse...

Un libro de que tengo un buen recuerdo...tampoco me importaría volver a releerlo, seguro que encontraba cosas nuevas.
Los bizcochutos de miel riquisimos y en forma de conejito... má!
Un besito amiga

Eu que fiz... ou quase isso disse...

Oi MArli, vou confessar que li só a respeito da receita, vc pode e deve colocar como sua autoria né rsrsrs. ficaram lindas, aliás vc posta uma mesa como poucos né sempre tenho ideia de estar numa casa de chás daquelas antigas em que eu nunca fui e só vi em novelas.

beijos adorei os biscoito coelhinhos.

bjs

Gélia

Pin It button on image hover