sábado, 19 de junho de 2021

Mimosa de morangos, livro 'Grandes Esperanças' e...

 

Olá, queridos leitores, desejo que todos estejam bem! 
Muitos de nós já percebemos o quanto é difícil manter o bem estar psicológico, numa situação como a que estamos a atravessar, de pandemia (e todas as suas consequências).
Um jeito de abrandar isso - na minha opinião - é a gente tentar viver do modo mais normal possível, inclusive - e especialmente - celebrando as datas festivas.
Por aqui tivemos mais um aniversário, nos últimos dias.
E para este aniversário eu fiz, novamente, o bolo intenso de chocolate, que teve recheio de brigadeiro branco + morangos frescos e cobertura de ganache de chocolate e 'tubetes' de Trento.


Mas eu também preparei umas tortinhas salgadas ( de bacalhau e palmito) e outras coisinhas.

teve tortas salgadas: de palmito e de bacalhau

Bom, quanto à mimosa de morangos, fui criando a receita com os ingredientes que  já tinha em casa. O povo da casa aprovou, por isso decidi publicar a receita:

Mimosa de morangos

Ingredientes

1 garrafa (750 ml) de champanhe rosé

¼ de xícara de açúcar granulado (ou mais se preferir mais doce)

300 ml de vinho branco seco

1 xícara (240 ml) de morangos limpos, picados e congelados (mais alguns ‘in natura’ se quiser decorar o copo com eles; reserve esses)

Preparo

Bata os morangos no liquidificador com o vinho branco seco e o açúcar. Depois de bem batidos, acrescente o champanhe e bata novamente. 


Um dia desses eu e maridex passamos em frente a este local, que é um centro de lazer e entretenimento, construído à beira do lago, em nosso antigo bairro. Não resistimos e entramos, para espairecer por um momento. 





  O livro lido:
 
Grandes Esperanças, do britânico Charles Dickens. 

Li (ou comecei a ler, para ser mais sincera) uns três livros, nesses últimos dias. Mas o único que me cativou realmente, a ponto de eu vencer rapidamente as suas quase 700 páginas, foi este acima, Grandes Esperanças (Great Expectations, no original), de Charles Dickens.

Depois de o ter lido fiquei me perguntando a razão de eu ter achado este livro tão bom. E concluí que é porque os personagens – e a estória também – são do tipo possíveis. Especialmente se a entendermos dentro do tempo em que o escritor viveu.

No tempo de Dickens as pessoas podiam fazer grandes transições sociais através de coisas como casamento, participação em algum negócio, feito nas colônias, e também pelo recebimento de heranças e de benefícios de outras pessoas. E é isto que acontece com o garoto narrador, um menino pobre e órfão, criado pela irmã, bem mais velha, uma megera, casada com um ferreiro.

O menino se chama Pip e um dia – numa das escapulidas de casa, para ir visitar o túmulo dos pais dele – depara com um preso que fugiu de um navio e está sendo  procurado pelas imediações. O preso, que se encontra quase morto de frio, fome e sede, obriga o menino, sob ameaça, a conseguir comida, bebida e uma lima para ele. A lima seria para cortar o grilhão que ele trazia na perna.

O menino, aterrorizado, cumpre as exigências do preso, e para cumpri-las enfrenta riscos, porque a irmã dele, como foi dito, é uma megera. O ferreiro, marido da irmã, no entanto, é uma homem muito bom e é especialmente amigo e protetor do menino.

Um tempo depois a família do menino recebe convite para enviá-lo à casa de uma dama rica, da localidade, a fim de brincar um pouco com a filha adotiva dela. Essa ação foi intermediada por um comerciante que é aparentado da família de Pip.

Na mansão o menino descobre que a dama, que se chama Senhora Havisham, sofreu um tremendo desapontamento, na juventude, devido ao fato de ter sido abandonada pelo noivo, no dia do casamento. Desde aquele dia ela se trancou dentro de casa, não quis mais ver a luz do sol e jamais deixou que a mesa  destinada à festa, com o bolo, fosse desfeita. Ela também veste – de vez em quando - o vestido de noiva que não chegou a adentrar a igreja. 

Pelo acontecido, a Sra. Havisham cultivou grande rancor pelos homens e cria a filha adotiva, que se chama Estella, para que ela venha a ser sempre fria e cruel com eles.

O menino se encanta pela menina, que o trata sempre mal, por ter aprendido bem as lições dadas pela mãe. Contudo, ele volta à mansão algumas vezes, sempre para brincar com a menina, à qual se sente cada dia mais ligado. Ele também aspira a – um dia – vir a fazer parte do mundo dela.

Como as relações do menino com a dama e a filha dela não melhoram, ele - ainda que amando a menina -, deixa de visitá-las e decide se tornar aprendiz de ferreiro, trabalhando na ferraria do cunhado. 

Anos depois, a família do menino, que então tinha entrado na adolescência e se tornara um rapaz, recebe a visita de um famoso advogado (também advogado da Senhora Havisham) que diz a eles que o rapaz recebeu uma herança, que ele deve usar para adquirir uma boa educação e se tornar um cavalheiro. A fortuna, aliás, seria passada ao jovem – através desse advogado, aos poucos, conforme surgissem as despesas que ele passaria a fazer, já que, durante os estudos, ele teria de se mudar de cidade e também passar a conviver com pessoas de classe superior. 

 O advogado também diz que o benfeitor (ou benfeitora) do rapaz não quer ser identificado e que - justamente - estipulou essa condição para que ele receba o benefício.

Bem... vou parar por aqui, para não estragar totalmente a surpresa de quem se aventurar a ler o livro. 

Mas eu não posso deixar de registrar um conhecimento que adquiri na vida, com relação às pessoas que não conhecemos bem (mas isso se aplica particularmente às pessoas privilegiadas, ricas. ou que - por alguma razão - gozam de vantagens especiais): muitas vezes o brilho que a gente enxerga nelas, ou nas circunstâncias em que vivem, é apenas um brilho ilusório. É algo totalmente baseado em superficialidades, sem substância real. 

Esta constatação sempre me faz lembrar da frase do Millôr Fernandes:

"Como são admiráveis as pessoas que nós não conhecemos bem!"

De qualquer forma, o livro não é apenas sobre isso e eu achei que o tempo despendido para o ler foi muito bem aproveitado. 

O curioso é que anos atrás eu vi um dos filmes baseados neste livro, a versão de 1998, em que a estória foi transportada para os dias atuais. Ela foi estrelada por Ethan Hawke, Gwyneth Paltrow, Robert De Niro e Anne Bancroft. Gostei do filme. Mas não me lembro do quanto ele foi fiel ao livro. 

E é só por enquanto... até já! 

23 comentários:

Pedrita disse...

nem me fale, tempos difíceis. os aniversários tem sido bem tristes por aqui. visitas rápidas ao ar livre de máscaras. linda a jarra, bebida e flor. foto linda tb. lindo bolo. ando sentindo falta de bolo de aniversário. lugares ao ar livre são mais seguros, desde que praticamente vazios. grandes esperanças tb foi impactante. eu andava de ônibus na época e passava o tempo todo dentro do livro. q história, q trama, q forma de escrever incrível. folhetins acabam sendo bons pra esse momento pq nos levam pra outro tempo e nos ocupa. fazendo fugir dessa realidade difícil. se cuida. beijos, pedrita
comentei o livro aqui, nossa, li em 2013, nem lembrava q era tanto tempo. https://mataharie007.blogspot.com/2013/05/grandes-esperancas.html
tem uma série baseada no livro q comentei aqui https://mataharie007.blogspot.com/2013/07/grandes-esperancas.html

Dalva Rodrigues disse...

Parabéns , Marly, pela introdução ao enredo do livro, show, flui que é uma maravilha!
Adorei a dica da bebida, vou experimentar em breve, bem refrescante só de imaginar!
Que parque lindo, bem cuidado, dá gosto de ver, imagine estar!
Menina, que abuso esse bolo e ainda com lateral de Trento, amoooo....(já estou imaginando a versão limão ou maracujá, uau).Tá lindo, assim como a torta!
Abraço, amiga, bom domingo!

A Paixão da Isa disse...

amiga como sempre tudo muito bonito e esse bolo esta 5 * desejo tudo de bom muita saude bjs

Denise disse...

Nossa, quanta coisa linda! Eu fico admirada com tanto capricho!
O bolo, maravilhoso! De encher os olhos!
As tortinhas, ai, salivei por aqui ao saber os sabores dos recheios!
O suco, refrescante!
Os locais visitados, certamente de ares inspiradores e frescos!
E o livro, ótimo para espairecer também!
Uma ótima semana pra você!
Grande abraço.
http://dedeartes-denise.blogspot.com

Roselia Bezerra disse...

Boa noite de domingo, querida amiga Marly!
Nossa! Que bolo! Com tudo que gosto, chocolate e morango ��.
O passeio em lugar lindo vale por dias sem sair de casa.
Ler alarga horizontes.
Um post muito pleno de harmonia gostosa.
Tenha uma nova semana abençoada!
Beijinhos carinhosos e fraternos

Cidália Ferreira disse...

Bom dia. Tudo com muito bom aspeto! Amei
~~
Queria ser, muito mais, que um Ser
~~
Beijos, e uma excelente semana.

São Ribeiro disse...

Parabéns o bolo ficou lindo a bebida agrada-me.
E o livro ,adorei o bocado que li e fiquei com muita vontade de saber o resto da historia.
Dantes lia bastante mas ultimamente não tenho lido, o ultimo que li foi em suas próprias palavras sobre Freddie Mercury que é o meu idolo.
O meu filho tem 23 anos e lê muito, compra livros tanto em português como inglês .
Boa semana

Prata da casa disse...

Olá Marly: começo pelo bolo que ficou lindo e muito bem decorado. Em receita vencedora não se mexe:
A sangria de morangos deve ser uma maravilha! Já guardei a receita para a poder experimentar quando a família se juntar, o que não tem sido muito frequente graças à D. pandemia!!
Gosto muito de Charles Dickens ou não fosse ele um dos expoentes máximos da literatura inglesa, mas não li este livro. Li o famoso " Um conto de Natal",mas este não e fiquei com vontade pela tua apreciação.
Bjn
Márcia

Nal Pontes disse...

Oi Marly Amei te encontrar por aqui entre blogs amigos. Parabéns pela delícia de bolo lindo e apetitoso. A torta tbm está um show a decoração com essa florzinha. Parabéns por compartilhar uma linda postagem. Bjs querida

Vanessa disse...

Oi Marly tudo bem?

É verdade que a situação não melhorou e está demorando mais do que imaginamos. Amei o bolo e fiquei muito animada em fazer as tortinhas, vou pesquisar aqui e ver se tem as receitas.
Quanto ao local onde entraram para apreciar é muito bonito e parece bem tranquilo.
Beijos.


https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

" R y k @ r d o " disse...

Acredito que o livro tenha uma narrativa muito bonita de ler
Os bolos têm um aspeto delicioso
.
Cumprimentos poéticos
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Jovem Jornalista disse...

Os pratos parecem ser deliciosos e incríveis!

Boa semana!

Jovem Jornalista
Instagram

Até mais, Emerson Garcia

Heloísa Sérvulo da Cunha disse...

Marly,
Muitas vezes tenho dificuldades para encontrar a forma de elogiar o que você faz. Tudo com uma beleza ímpar, e com aspecto de gostosura total. A bebida de morangos, o bolo, as tortinhas ... Vontade de provar tudo.

Ao ler seus comentários sobre o livro, percebi que nunca li Charles Dickens. Vou colocar essa obra na minha lista.
Beijos.

Adelaide Araçai disse...

Parabéns e felicidades a pessoa que iniciou o novo ciclo!
O bolo lindo, e provavelmente delicioso, acompanhado dessa torta me inspirou para fazer algo nesse final de semana para "comer"morar o níver do marido que será petit comitè (nós 2 devido a pandemia risos). Grata pela receita e dica do livro.
Muita Luz e Paz!
Abraços

Chris Ferreira disse...

Oi Marly,
também acredito que as comemorações são muito importantes para mantermos a vida o mais próximo da normalidade possível. O bolo ficou lindo e as tortas também.
Eu nunca bebi a mimosa de morango. Sempre tomo a de laranja.
Lindo o local de lazer.
Gostei da dica de livro.
beijos
Chris


Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

Pandora disse...

Aqui não perco oportunidade de fazer bolos e tortas, as vezes para celebrar aniversários, as vezes só para celebrar mais um dia vivido/sobrevivido em meio ao caos. Também tenho lido, enfrentei uns livros difíceis ultimamente, preciso ler algo mais leve.

Quando preciso me aproximar mais de um período histórico seja para da uma aula ou para esclarecer um ponto, vou para a literatura primeiro para entender por dentro, através dos personagens, como era aquele tempo. Amo essa sensação de ler livros cujos personagens são possíveis e o autor/autora me faz viajar pelo seu tempo.

Fiquei super curiosa com "Grandes Esperanças", achei que tu ia entregar a história toda kkk já estava aqui ansiosa... Vou ter que ler!

Concordo com você sobre algumas pessoas que parecem muito brilhante, as vezes é tudo ouro de tolo.


https://elfpandora.blogspot.com/

Vanessa disse...

Oi Marly, olha eu aqui de novo rs
Para avisar que te indiquei para responder uma tag lá no blog, se gostar fica à vontade para responder.
Beijos.


https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

Camila Faria disse...

Apenas: UAU. Uma salva de palmas para tantas delícias no mesmo post. Apaixonada pelo bolo e desejando demais esse drink.

Quanto ao livro, fiquei super instigada. A história parece ser incrível, quero muito ler. :)

Luma Rosa disse...

Oi, Marly!
Vamos seguindo fazendo dos nossos dias os melhores possíveis. Independente da pandemia, tudo o que mais nos agrada é uma boa companhia e feliz daqueles que possuem uma família que respeita as restrições. Nos dá mais tranquilidade para programar os dias com mais qualidade. Que lugar mais gostoso para passear! Fez bem em dar uma pausa e usufruir do lugar.
Venho aqui e fico babando nas guloseimas e quitutes. Dá vontade de ir direto para a cozinha (rs*). E agora aprendi a fazer um novo drink.
Sobre Charles Dickens, acho que ele seria também um grande psicólogo! :) A Netflix vai começar a filmar uma minissérie baseada em ¨Grandes Esperanças". O filme ainda não assisti, mas o livro é recomendadíssimo. Li em 3 volumes :)
Beijus,

Rajani Rehana disse...

Beautiful blog

Rajani Rehana disse...

Please read my post

Jovem Jornalista disse...

Comidas de dar água na boca!

Boa semana!

Jovem Jornalista
Instagram

Até mais, Emerson Garcia

Isa Sá disse...

Uma pessoa fica com fome a olhar para esta imagens!


Isabel Sá
Brilhos da Moda

Pin It button on image hover